Entrevista do Presidente da Câmara Municipal de Sousel

Manuel Joaquim Silva Valério

J.A.- O turismo e o sector primário são valorizados nessa autarquia?
P.C- As Câmaras Municipais não têm competências em matéria de setor primário (agricultura e pecuária), ainda que a Câmara Municipal de Sousel (CMS) preste apoio a todos os empresários do concelho que solicitem ajuda, notando-se no presente uma grande pujança neste setor, quer em termos de expansão da atividade, quer em termos de aposta em novas culturas. Quanto ao turismo, a grande âncora do concelho é o Museu dos Cristos, inaugurado em abril de 2019 e que já atraiu mais de 6000 visitantes. E a recente iniciativa Sousel, capital do borrego revela bem o empenho da Câmara Municipal em matéria de pecuária e de turismo.

J.A-As medidas já tomadas pelo Governo contra a violência doméstica, serão suficientes para atenuar esse flagelo?
P.C- A violência doméstica é uma cobardia inqualificável. As medidas recentemente tomadas poderão ajudar a minorar a grave situação, mas o problema é também de carácter educativo e cívico e isso demora gerações a melhorar.

J.A.- Que recursos financeiros necessitam as populações mais enfraquecidas (a vários níveis) nessa autarquia?
P.C- A Câmara Municipal de Sousel tem plena consciência dessa realidade e, embora a sua missão não seja a de uma IPSS, apoia fortemente as IPSS’s do concelho, que são cinco, a cumprir a sua missão. Ajudando decisivamente na melhoria das instalações e do conforto das mesmas, bem como mantendo os idosos envolvidos em atividades culturais e de entretenimento. Mais recentemente, a Câmara Municipal de Sousel apoia os idosos também com a comparticipação na aquisição de medicamentos.

J.A.- O que pensa sobre as medidas tomadas pelo governo sobre o Covid 19 e sua vacinação?
P.C- São medidas corretas, com base científica, alicerçadas nas medidas preconizadas pela OMS. Concordamos com elas e apelamos aos munícipes para as respeitar.

J.A.- Que medidas pensa tomar durante este novo mandato?
P.C- Todas as que foram prometidas em campanha eleitoral.

J.A.- que problemas mais prementes necessitam de intervenção rápida nessa autarquia?
P.C- Tal como a maioria dos concelhos do interior do país, os maiores problemas são o envelhecimento da população e a falta de emprego, o que requer toda a tenção dos responsáveis políticos desta autarquia.
A reparação da rede viária e a reabilitação urbana também são prementes.

J.A.-Como está a situação financeira da autarquia neste novo mandato?
P.C- Tem vindo a melhorar ao longo deste e do anterior mandato 2017-2021. Foi resolvida a situação de prolongado incumprimento da Autarquia com a empresa Águas do Vale do Tejo, que ascendia a mais de 2 milhões, realizada a renegociação e fusão de vários empréstimos bancários e regularizados os pagamentos a fornecedores. Neste momento a CMS paga o fornecimento de bens e serviços a menos de 30 dias, paga a pronto aquisições de veículos e outros equipamentos e autofinancia a realização de diversas obras de beneficiação viária em curso no concelho.

J.A.-A câmara presta apoio às juntas de freguesia?
P.C- O apoio que se encontra protocolado, em matéria de limpeza e higiene urbana, mas também na gestão dos cemitérios e em todas as matérias e dificuldades que vão surgindo para as quais as freguesias não tenham capacidade financeira ou de meios humanos.

J.A.-Que mensagem quer transmitir à população da sua autarquia
P.C- Uma mensagem de confiança e serenidade. A gestão da CMS está em boas mãos. Todos os indicadores económico-financeiros melhoraram a olhos vistos. A CMS realiza um ambicioso plano de reabilitação do concelho, que se encontrava num nível de degradação avançado. Posso garantir que dentro de alguns anos será muito mais agradável viver em Sousel. E com a prioridade que damos à economia, a possibilidade dos nossos jovens encontrarem emprego por aqui e aqui se fixarem será uma realidade.

J.A.- O Jornal das Autarquias existe desde 2007! Quer deixar-nos a sua opinião sobre o trabalho do mesmo?
P.C- Continuem a fazer o bom trabalho que têm feito em prol do municipalismo português.

Go top