JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Junho 2019 - Nº 140 - I Série - Madeira

Madeira

Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Jardim da Serra

Valentim Marcelino da Silva

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.J.- Sim. A freguesia é muito visitada por turistas que levam o nome desta freguesia rural pelo mundo fora.

J. A. – O aumento do desemprego gerou muita pobreza, como está essa freguesia a gerir esse problema?
P.J.- O aumento do desemprego é sempre uma preocupação para a freguesia. Esta junta tenta sempre ajudar a população no encaminhamento de soluções para combater este problema, nomeadamente, para os programas de emprego do instituto de emprego da madeira.

J. A. – O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente no nosso país e qual a causa e efeito?
P.J.- Este é um problema que todos temos de ter consciência de que prevenir e evitar será sempre a solução porque a violência não revolve os problemas.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.J.- Felizmente, a freguesia do jardim da serra não tem problemas de delinquência infantil, pelo que nos sentimentos muito satisfeitos por isso.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J.- É um flagelo que infelizmente destrói familias. É urgente a mudança de mentalidades.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.J.- A junta de freguesia possui um regulamento de apoio à população carenciada e apoia o centro de dia do jardim da serra.

J.A.- Com a aproximação do tempo quente, Verão, que tipo de prevenção utilizada para minimizar danos como os que aconteceram em anos transactos?
P.J.- A junta de freguesia alerta sempre a população para a prevenção, em especial, para a limpeza de terrenos próximos às moradias.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo?
P.J.- O ifcn tem apoiado a população através do encaminhamento dos casos para limpeza de terrenos, conforme determina a lei.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.J.- - Saneamento básico em toda a freguesia.
P.J.- - agricultura - doença das cerejeiras.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J.- Abertura de caminhos agrícolas.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.J.- Que a freguesia cresça em termos de infra-estruturas, mantendo sempre a sua beleza e a sua essência.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos? E porquê investir nessa freguesia?
P.J.- Levo sempre a mensagem de que esta freguesia rural precisa de mais infra-estruturas, principalmente, o saneamento básico e um polidesportivo.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.J.- É uma freguesia pequena e conta com o apoio do fundo de financiamento das freguesias, bem como da câmara municipal de câmara de lobos. Uma vez que temos sempre muitos trabalhos por realizar a situação financeira é sempre insuficiente para a realização de todos os projetos do executivo.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.J.- A câmara municipal apoia esta junta através da atribuição de materiais, apoio logistico e celebração de contratos administrativos e de execução.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J.- Quero que a população saiba que, enquanto for presidente, lutarei sempre pelos interesses da freguesia para que tenhamos mais infra-estruturas, mantendo a segurança e a beleza que esta freguesia oferece.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.J.- É muito difícil porque a freguesia tem uma população muito atenta e exigente, mas com dedicação e responsabilidade tenho conseguido conciliar ambas.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J.- Que continue a divulgar e a valorizar o trabalho realizado pelas autarquias locais e as instituições locais.

Go top