Entrevista do Presidente da União de Freguesias de Avidagos, Navalho e Pereira

Arménio Adérito Vaz

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.U.F.-O principal setor desta União de Freguesias é sem dúvida o sector primário e o mais importante, pois é o que gera mais empregos, embora a parte turística a considere de muito relevo, pois também mexe e muito com a economia local.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, e das medidas recentemente tomadas, contra este flagelo.
P.U.F.-Este flagelo deve estar sempre na preocupação de todos nós, é inadmissível nos tempos de hoje ainda haver pessoas com estas mentalidades. Felizmente na minha União de Freguesias não tenho conhecimento deste problema, mas continuamos muito atentos, a meu ver este problema ainda está tão enraizado na nossa sociedade, porque não se penaliza devidamente os agressores.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.U.F.-É um assunto que deveria fazer-nos refletir um pouco mais, que atenção e que educação estamos nós a dar aos nossos filhos, é um assunto que nos levaria, a uma grande conversa. Quando vemos crianças com 12/13 ou 14 anos a praticar certos crimes que nos arrepiam, Só aí é que nos damos conta do quanto falhamos com os nossos jovens, Andamos tão envolvidos com o nosso dia a dia que não nos apercebemos dos problemas que, por vezes, estão tão perto de nós. Não deixo aqui de criticar também os nossos governantes, pois estamos em tempos que os pais quase não podem, como se costuma dizer tocar nos filhos. Mas como referi este assunto levar- nos- ia a uma grande troca de ideias.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.U.F.-É mais um dos problemas que infelizmente está tão presente na nossa vida e que por vezes nos revolta, porque estamos de mãos atadas sem podermos fazer absolutamente nada, quando vemos pessoas a matar outras por um simples furto de um telemóvel, está tudo dito, mas ficamos ainda mais revoltados quando essa pessoa é posta em frente a um Juiz e é mandada para casa. A meu ver estamos a dar sinais que o crime compensa e isso não tenho duvidas que são péssimos exemplos para a nossa sociedade estamos a esquecer pessoas que devíamos proteger e castigar devidamente quem deveria ser castigado.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.U.F.-O envelhecimento da nossa população é uma realidade e que nos preocupa muito. Embora na minha união de freguesias não tenha casos preocupantes, não deixamos de estar atentos a esta realidade. Oferecemos todas as condições aos nossos idosos tanto no apoio domiciliário, como também temos um lar para idosos e um centro de dia, onde eles podem estar durante o dia e regressar às suas casa se assim o desejarem. O Centro de Dia também entrega refeições a quem o desejar. Quando nos deparamos com idosos com alguma dificuldade financeira, ajudamos com as despesas por exemplo da eletricidade da água e da alimentação. Mas como referi felizmente na nossa União de Freguesias as pessoas em geral vivem razoavelmente bem.

J.A.- O que acha das novas medidas tomadas pela Governo para contenção do COVID-19?
P.U.F.-Esta pandemia veio prejudicar toda a população, entendo que ninguém estava preparado para este problema, o confinamento são medidas que compreendo que nenhum governo gostaria de tomar, mas entendo que para protegermos as pessoas se deve tomar as medidas que forem necessárias, pena é que por vezes se demore tanto a decidir como agir, mas em geral estou de acordo com as medidas tomadas.

J.A.- Qual a sua opinião sobre o modo como está a decorrer a vacinação Covid-19?
P.U.F.-Estou completamente de acordo que se tenha começado a vacinação pela classe médica e população mais idosa, pena é que haja pessoas no meio disto que se aproveitem dos cargos que exercem para passar à frente de pessoas que são prioritárias. Tenho igualmente pena que não se consiga ter mais vacinas para podermos ter a população mais protegida para voltarmos à vida normal.

J.A.- Devido ã pandemia que se instalou no Mundo, originando falta de recursos na população, a todos os níveis, relate a situação na sua zona.
P.U.F.-Como já referi as pessoas da minha união de Freguesias na sua maioria trabalham no setor primário, o que faz com que não tenham tido falta de recursos. Alguns dos nossos habitantes que se depararam com algum problema, estávamos nós enquanto poder local atentos e prontos para solucionar e minimizar a falta desses recursos.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo, e qual o apoio dado às vítimas do mesmo?
P.U.F.-Do governo não temos tido apoios, trabalhamos em consonância com o executivo da câmara, com a proteção civil e agentes da autoridade, e quando aparece algum problema, todas estas instituições estão de mãos dadas e prontas a resolver seja aquilo que for.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.U.F.-Neste momento é o isolamento da população, estas gentes das Freguesias gostam de conviver entre si de conversar de estar juntos e isso faz-lhe muita falta.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.U.F.-Estou sempre muito atento à juventude, pois cada vez mais com as redes sociais eles têm tendência a isolar-se, e isso não é benéfico, por isso mantenho-me sempre em alerta, com este confinamento ainda se tornam as coisas mais complicadas, a minha forma de atuar é tentar mante-los sempre ocupados.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.U.F.-Esta união de Freguesias têm um dinamismo enorme com gente de muita garra que não vira as costas à luta, com várias empresas instaladas a gerar muitos postos de trabalho, com juventude, com muitas crianças felizmente, a minha união de freguesias ainda consegue ter aberto a escola do primeiro ciclo e o infantário, por isso vejo um futuro enorme, risonho, cheio de sucesso, não tenho qualquer dúvida que se continuar neste ritmo será futuramente, a melhor união de Freguesias do concelho de Mirandela.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos?
P.U.F.-E porquê investir nessa freguesia? Eu sou uma pessoa muito positiva e por isso a minha mensagem é sempre de muita esperança e de muita confiança no futuro, Como autarca desta união de Freguesias quero sempre mais e melhor para toda a minha população, mais e melhores condições de vida, reivindicamos sempre com muito empenho isso nas nossas reuniões. Sabemos que neste momento podemos dizer que essas condições estão criadas, temos todas as infraestruturas, boa rede de saneamentos, boas estações de tratamentos, redes de águas, bons acessos, bom atendimento e boa resolução dos mais variados assuntos da população, boas escolas bons parques de lazer etc, etc. Não é difícil incentivar os empresários a investir nesta União de Freguesias, primeiro porque estamos pertíssimo da autoestrada, depois porque temos excelentes acessos, excelente localização, pessoas de altíssima qualidade, muito trabalhadores, honestos e muito empreendedores uma Junta de Freguesia sempre disponível para ajudar os empresário sempre que alguém quer investir e criar postos de trabalho, são razões suficientes para as pessoas se instalarem neste paraíso dos Deuses.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.U.F.-A situação financeira nunca é a desejável, pois eu enquanto Presidente desta União de Freguesias gostaria de ter sempre mais para conseguir resolver todos os assuntos, de qualquer forma vamos conseguindo gerir os recursos da melhor forma possível.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.U.F.-Temos um protocolo financeiro mensal com este executivo camarário que nos permite trazer os caminhos minimamente transitáveis, assim como, a limpeza das ruas, nesse protocolo também está contemplado uma verba anual em material.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.U.F.-Uma mensagem de muita esperança, temos uma Freguesia com um potencial enorme com empresário excelentes que dignificam e prestigiam todos nós, sabem das capacidades do seu Presidente da Junta e de todo o seu executivo sabem das medidas que tomamos de incentivo à natalidade, sabem das medidas que temos de incentivo à construção e por isso os nossos jovens sabem que nunca estão sós que podem contar sempre com o nosso apoio. Os nossos idosos connosco, estarão sempre protegidos, por isso a nossa população só tem que ter pensamentos positivos num futuro que tenho a certeza muito atrativo.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.U.F.-Não é fácil pois comecei a minha vida de autarca muito jovem, para além disso tenho também outras atividades que exigem muito de mim e isso só é possível porque tenho uma estabilidade familiar muito bem conseguida.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.U.F.-Desejar-lhe muito sucesso e que continue a divulgar o que de melhor se faz nas nossas Freguesias.

Go top