Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Calde

José Fernandes

J.A.- Qual a vossa opinião sobre a temática aeroporto/Montijo?
P.J.- Não trás o desenvolvimento ao interior do País. Havendo uma solução já executada o aeroporto de Beja.

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.J.- Os sectores referenciados só podem ser valorizados se houver fixação de pessoal o que no nosso caso ainda é uma miragem.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, e das medidas recentemente tomadas, contra este flagelo.
P.J.- É um flagelo a combater e concordamos com as referidas medidas.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.J.- Este fator devesse a uma sociedade que está a perder os aspectos de sociedade, tanto na família como na escola.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J.- Um mau prenúncio para uma sociedade que se diz desenvolvida.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.J.- Esta autarquia não tem disponibilidade financeira, mas gostaria de ter, para dar cumprimento ao referido apoio.

J.A.- O que acha das medidas tomadas pela DGS, para contenção do COVID-19?
P.J.- Achamos corretas, sé com um senão as medidas deviam ser cumpridas por todos os sectores e instituições da sociedade o que não tem acontecido.

J.A.- Com a aproximação do Verão, que tipo de prevenção utilizada para minimizar danos como os que aconteceram em anos transactos?
P.J.- Sensibilização da população.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo, e qual o apoio dado às vitimas do mesmo?
P.J.- Nenhum

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.J.- O problema da interioridade, falta de telecomunições e transportes públicos o que leva as pessoas a fugir da freguesia.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J.- Criação de emprego e apoio à agricultura e floresta.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.J.- Tudo depende da resolução dos problemas atrás sitados.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos?
P.J.- E porquê investir nessa freguesia? Criar condições para as industrias se fixarem, porque temos boa rede viária.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.J.- Boa

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.J.- Assinatura de vários contratos programa.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J.- Serem pessoas resilientes às condições menos favoráveis.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.J.- Com muita dificuldade, devido à falta de recursos humanos.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J.- Que seja sempre um transmissor dos problemas das Freguesias.

Go top