Entrevista do Presidente da União de Freguesias de S. Miguel do Pinheiro, S. Pedro de Solis e S. Sebastião dos Carros

António José Alves Peleija

J.A.- Qual a vossa opinião sobre a temática aeroporto/Montijo?
PUF. - Eu, pessoalmente penso que é um erro o Governo ir investir milhões de euros no aeroporto do Montijo, tendo o aeroporto de Beja a uma hora e meia de distancia a Lisboa, evitando estudos de impacte ambiental, descontentamento daquelas populações e um grande endividamento para o País.
Bastaria fazer alguns melhoramentos no aeroporto de Beja e na rede viária de acesso a autoestrada.

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
PUF. - A União de Freguesias de S. Miguel do Pinheiro, S. Pedro de Sólis e S. Sebastião dos Carros, ao nível do sector primário tem características idênticas ao resto do concelho, a Câmara Municipal de Mértola e a Santa Casa da Misericórdia da Mértola são as entidades maiores geradoras de emprego. Logo de seguida existe a Industria da panificação com a existência de 8 padarias nestas freguesias, que empregam também algumas pessoas.
O setor do Turismo continua a crescer nesta União de Freguesias, o número de visitantes tem vindo a subir anualmente, nomeadamente visitas ao Moinho de Vento e Núcleo Museológico de S. Miguel do Pinheiro, A caça é outra área predominante nestas freguesias e neste concelho, movimentando neste setor algum comercio, alojamento e gastronomia.

J.A-O que pensa sobre a violência doméstica, e das medidas recentemente tomadas, contra este flagelo.
PUF. - A Câmara Municipal de Mértola, em colaboração com as Juntas de Freguesia do concelho, estão cada vez mais sensibilizadas e preocupadas em combater esta realidade. São realizadas ações de sensibilização/prevenção/informação, com o objetivo de prevenir, informar, alterar mentalidades e erradicar esta problemática. Atualmente não temos registos de casos nas nossas freguesias.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar é neste momento uma infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
PUF. - Nestas Freguesias felizmente não temos situações a registar, talvez porque vivemos numa zona do interior com pouca população e onde todas as pessoas se conhecem, no entanto estamos a tentos a situações que possam vir a ocorrer, para que as possamos resolver de forma eficaz. No entanto lamentamos as noticias que vimos na comunicação social de casos de delinquência infantil nos grandes centros urbanos.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
PUF. - A sociedade tem vindo a sofrer significativas transformações: a família, núcleo fundamental da educação, já não é a mesma, tendo perdido autoridade e vontade de dialogar, de educar e de acompanhar o dia-a-dia dos filhos.
No meio de tudo isto, a verdade é que a violência continua a existir e a registar-se cada vez mais na população, onde as redes sociais da forma como são utilizadas, também não ajudam em nada a combater este problema.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
PUF. - União de Freguesias realiza várias atividades com o objetivo de proporcionar aos nossos munícipes, momentos de convívio, participação, bem-estar e conhecimento. Temos diversas atividades para a população em geral. Colaboramos com os Pólos da Universidade Sénior destas freguesias, realizamos o encontro anual para os reformados, passeios de verão para a população em geral, apoiamos o grupo coral, apoiamos os séniores na ginástica, hidroginástica, danças tradicionais, entre outras. Também apoiamos os recém nascidos com um cheque de 200,00€ para ajudar nas primeiras despesas.

J.A.- O que acha das medidas tomadas pela DGS, para contenção do COVID-19?
PUF. - Penso que varia um pouco de concelho para concelho, nós no concelho de Mértola, temos tido poucos casos em relação ao resto do País, logo é preciso continuar a assegurar o cumprimento das medidas decididas, porque, se forem cumpridas por todos, como se pretende, irão reduzir a propagação da atividade do vírus”,
Apesar de achar que no setor da restauração as medidas são muito duras o que pode provocar o encerramento de alguns estabelecimentos.

J.A.- Com a aproximação do Verão, que tipo de prevenção utilizada para minimizar danos como os que aconteceram em anos transatos?
PUF. - A União de Freguesias colabora com a Câmara Municipal de Mértola e outras entidades na divulgação de diversas campanhas para a sensibilização das pessoas.
Ainda fazemos o corte de pastos e ervas nas localidades e nas bermas das estradas para evitar a propagação de fogos.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo, e qual o apoio dado às vitimas do mesmo?
PUF. - Não temos recebido qualquer apoio.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
PUF. - O maior problema nestas freguesias tem haver com a desertificação e o despovoamento, derivado da falta de empregos e falta de investimentos nestas freguesias e nesta região.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
PUF. - As acessibilidades, a saúde, e sobretudo a falta de investimento público no interior do país, na nossa Freguesia e Concelho.

J. A. – Que perspetivas tem para o futuro da freguesia?
PUF. - A Promoção de melhorias e mais condições de vida a todos e todas os/as residentes, construindo infraestruturas para o desenvolvimento económico e a criação de emprego, nomeadamente a construção do Lar das Freguesias, a melhoria na rede viária, etc...

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos? E porquê investir nessa freguesia?
PUF. - A União de Freguesias tem boas condições para receber potenciais investidores, quer no setor da caça, agroturismo e turismo rural.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
PUF. - A situação financeira desta União de Freguesias é suficiente.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
PUF. - A União de Freguesias tem competências atribuídas, através de protocolos inter administrativos e contamos também com apoio logístico sempre que precisamos, para a organização das nossas atividades.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
PUF. - A mensagem que deixo a população da minha freguesia é que podem contar o nosso compromisso de honra, continuamos assim a trabalhar todos os dias para o bem estar e desenvolvimento destas populações.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
PUF. - Não é fácil, um Presidente gerindo três freguesias, numa área de 275Km2, localidades dispersas, em regime não permanente, com a vida profissional e a vida familiar.
Tento coordenar os serviços e a vida familiar da seguinte forma:
Trabalho por turnos, logo consigo estar parte do dia na Junta e a outra parte no trabalho, a vida familiar fica para a parte da noite e alguns dias ao fim de semana.
Logo os Presidentes nestas situações, deveriam auferir uma maior compensação.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
PUF. - Continuem a divulgar os problemas dos Autarcas e das Populações.

Go top