JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Julho 2019 - Nº 141 - I Série - Alentejo

Alentejo

Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Alcáçovas

Manuel António Calado

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.J. - Em baixa mas com algum movimento.

J. A. – O aumento do desemprego gerou muita pobreza, como está essa freguesia a gerir esse problema?
P.J. -Gerou alguma pobreza nesta Freguesia e em muitas Freguesias deste País. Tentamos contornar este problema com a ajuda das associações e da Santa Casa da Misericórdia.

J. A. – O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente no nosso país e qual a causa e efeito?
P.J. - Um problema sério que compete não só às entidades responsáveis como a todos os Cidadãos em geral.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.J. - A delinquência infantil terá que ser combatida nas escolas e a partir dos pais em casa.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J. - É fruto de as pessoas não saberem controlar onde chega a liberdade deles e começa a do próximo.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.J. - Apoio moral e material e encaminhamento para as entidades de possam prestar o devido apoio.

J.A.- Com a aproximação do tempo quente, Verão, que tipo de prevenção utilizada para minimizar danos como os que aconteceram em anos transactos?
P.J. - Não sendo a zona da nossa Freguesia uma zona de risco acentuado, são os fregueses elucidados para a limpeza junto das habitações e dos acessos em volta das grandes propriedades.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo?
P.J. - Apoio informativo.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.J. - Falta de pessoal para o serviço geral e de meios económicos para um desenvolvimento sustentável.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J. - Intervenção de base como espaços verdes, etc.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.J. - Um desenvolvimento lento e pouco sustentável.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos? E porquê investir nessa freguesia?
P.J. - As dificuldades no desempenho das tarefas diárias. Investir nesta Freguesia porque vale a pena por ser uma Freguesia com muita história a nível geral e cultural.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.J. - Muito difícil, mas vai vivendo.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.J. - Apoio com base num protocolo de cooperação e apoio em pequenas tarefas diárias.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J. - Muita força e que ajudem os eleitos a enfrentar as suas dificuldades para que todos sejamos mais fortes.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.J. - Com algumas dificuldades mas com muita vontade de colaborar.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J. - Que consigam atingir sempre os vossos objetivos.Entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Alcaçovas
Manuel António Calado

J.A. – Valorize o sector primário e o turismo dessa freguesia?
P.J. - Em baixa mas com algum movimento.

J. A. – O aumento do desemprego gerou muita pobreza, como está essa freguesia a gerir esse problema?
P.J. -Gerou alguma pobreza nesta Freguesia e em muitas Freguesias deste País. Tentamos contornar este problema com a ajuda das associações e da Santa Casa da Misericórdia.

J. A. – O que pensa sobre a violência doméstica, que ultimamente tem aumentado drasticamente no nosso país e qual a causa e efeito?
P.J. - Um problema sério que compete não só às entidades responsáveis como a todos os Cidadãos em geral.

J. A. – A delinquência infantil tanto no meio urbano como no escolar e neste momento um infeliz realidade. Fale-nos sobre esta situação.
P.J. - A delinquência infantil terá que ser combatida nas escolas e a partir dos pais em casa.

J. A. – O que pensa sobre a violência gratuita que se está a gerar na nossa sociedade?
P.J. - É fruto de as pessoas não saberem controlar onde chega a liberdade deles e começa a do próximo.

J. A. – Estando a população cada vez mais envelhecida e muita dela sem apoio familiar e recursos financeiros, que apoio presta a autarquia a esta realidade?
P.J. - Apoio moral e material e encaminhamento para as entidades de possam prestar o devido apoio.

J.A.- Com a aproximação do tempo quente, Verão, que tipo de prevenção utilizada para minimizar danos como os que aconteceram em anos transactos?
P.J. - Não sendo a zona da nossa Freguesia uma zona de risco acentuado, são os fregueses elucidados para a limpeza junto das habitações e dos acessos em volta das grandes propriedades.

J.A.- Que apoios têm recebido do governo para colmatar esse flagelo?
P.J. - Apoio informativo.

J. A. – Qual o maior problema com que essa freguesia se debate?
P.J. - Falta de pessoal para o serviço geral e de meios económicos para um desenvolvimento sustentável.

J. A. – Que outros problemas necessitam de maior intervenção?
P.J. - Intervenção de base como espaços verdes, etc.

J. A. – Que perspectivas tem para o futuro da freguesia?
P.J. - Um desenvolvimento lento e pouco sustentável.

J. A. – Qual a mensagem que leva às mais variadas reuniões e eventos? E porquê investir nessa freguesia?
P.J. - As dificuldades no desempenho das tarefas diárias. Investir nesta Freguesia porque vale a pena por ser uma Freguesia com muita história a nível geral e cultural.

J. A. – Como é a situação financeira dessa freguesia?
P.J. - Muito difícil, mas vai vivendo.

J. A. – Qual o apoio que a Câmara presta às Juntas de Freguesia?
P.J. - Apoio com base num protocolo de cooperação e apoio em pequenas tarefas diárias.

J. A. – Que mensagem quer enviar à população da sua freguesia?
P.J. - Muita força e que ajudem os eleitos a enfrentar as suas dificuldades para que todos sejamos mais fortes.

J. A. – Como consegue gerir a absorvente vida de autarca com a vida familiar?
P.J. - Com algumas dificuldades mas com muita vontade de colaborar.

J. A. – Que mensagem quer deixar ao Jornal das Autarquias?
P.J. - Que consigam atingir sempre os vossos objetivos.

Go top