JORNAL DAS AUTARQUIAS

Inscrito na E.R.C. sob o nº 125290

Julho 2019 - Nº 141 - I Série - Alentejo

Alentejo

Serpa

Carta aberta do Presidente da Câmara Municipal de Serpa

Tomé Alexandre Martins Pires

A terra e o património – recursos para desenvolvimento sustentável do concelho de Serpa

Num contexto de gestão do desenvolvimento com base no potencial endógeno do território, o Município de Serpa definiu uma estratégia assente nos recursos terra e património, em que a promoção da diversidade da atividade agrícola e a salvaguarda e valorização do património são determinantes. Estamos, assim, a trabalhar na utilização dos nossos recursos como fontes de valor acrescentado para a dinamização económica e criação de emprego, mobilizados numa estratégia capaz de atrair visitantes, com uma escolha clara pela qualidade, sustentada por uma boa qualidade de vida e um ambiente preservado. Este trabalho tem o foco no território concelhio, nas pessoas que aqui habitam e no tecido empresarial local, mas sempre com uma dimensão global, partilhando experiências, criando parcerias, ganhando a necessária abrangência territorial alargada, promovendo o que existe e atraindo projetos, pessoas e investimento. Ou seja, afirmar e distinguir o concelho e a cidade de Serpa como um território dinâmico e de forte identidade, promovendo o crescimento e diversificação de serviços num investimento de efeito multiplicador, benéfico para o concelho e para as atividades produtivas e turísticas.

Da intervenção social à dinamização económica, o nosso trabalho pauta-se pela preocupação com as pessoas, porque o desenvolvimento local constrói-se com e para os agentes e as comunidades, congregando sinergias para o crescimento e qualidade de vida de que podemos todos beneficiar. E em todo este caminho que estamos a fazer de desenvolvimento sustentável do concelho, a cultura e o património, as pessoas, as organizações locais, os diversificados agentes que aqui operam são recursos excecionais.

Serpa é um concelho rural, e o setor agrícola nos últimos anos apresenta grande potencial de crescimento, decorrente sobretudo do regadio de Alqueva, que ocupa aqui 30 por cento da Superfície Agrícola Utilizável. E para o aproveitamento de todas as potencialidades do regadio de Alqueva, é necessário também uma agricultura diversificada, para acrescentar valor ao que se pode produzir e que promova a criação de mais postos de trabalho e emprego qualificado. Por isso consideramos fundamental um novo modelo para a agricultura e para o mundo rural, que privilegie a diversidade de culturas e a sua sustentabilidade, com uma eficaz estratégia agroindustrial, geradora de emprego, a que os pequenos agricultores, os jovens e os trabalhadores que queiram trabalhar a terra tenham acesso. Uma agricultura que produza e dinamize as economias locais. Um modelo que promova o desenvolvimento das culturas de regadio e o equilíbrio dos vários modos de produção e utilização, com incidência também na questão do impacto ambiental nas reservas de águas subterrâneas, no solo e no coberto vegetal de sobro e azinho e com um real ordenamento agrícola. Com estratégias que valorizem a agricultura, dando especial atenção às indústrias agroalimentares como fundamentais para o desenvolvimento da atividade económica, da fixação de pessoas e da criação de emprego, mas sem colocar em risco a sustentabilidade do território, no respeito pelas populações e pelos valores naturais e culturais. Uma agricultura sustentável, baseada no modelo agroecológico, no qual se integra o modo de produção biológico, justa do ponto de vista social e que respeite o meio ambiente.

O potencial de desenvolvimento do concelho passa também, e muito, pelo turismo, sustentado pelo rico património que aqui existe, associado à qualidade de vida, às atividades culturais e desportivas, às boas infraestruturas e equipamentos, às tradições e aos saberes-fazer, à gastronomia, que são marcantes e principais fatores de atratividade, sendo de referir também a importância do Cante Alentejano, Património Cultural Imaterial da Humanidade. É crescente a afirmação de Serpa como um concelho de elevado potencial turístico, resultado também do trabalho que tem vindo a ser feito no âmbito da salvaguarda dos recursos e da sua valorização, promovendo o território como um destino de referência em termos de património, de cultura e de sustentabilidade.

É de destacar o desenvolvimento e consolidação do projeto Serpa Terra Forte – Promoção, com novos materiais promocionais, um novo site de promoção turística (visitserpa.pt) e uma aplicação Serpa Tour (guia interativo). Sob o lema “Em Serpa Desperta”, estas novas ferramentas pretendem reforçar a promoção do concelho de Serpa enquanto território de forte identidade e com oferta diversificada ao longo do ano.

A afirmação de Serpa enquanto território de sustentabilidade e com dinâmicas fortes está evidenciado igualmente num diversificado conjunto de outras propostas e de projetos em que temos vindo a trabalhar. A requalificação do parque de campismo de Serpa e a criação futura de uma área destinada a autocaravanismo, a requalificação do Mercado Municipal de Serpa, com a criação do Centro Interpretativo do Queijo, o projeto do CETAA – Centro Tecnológico Agroalimentar do Alentejo, a requalificação do Museu Municipal de Etnografia, as muitas atividades culturais e desportivas as feiras temáticas em todo o concelho, as festividades cíclicas, entre muitas outras referências que poderiam ser dadas, são exemplos da consistência deste caminho.

Go top